sábado, 20 de junho de 2009

Ida à imigração

Como previsto, fui renovar meu visto dia 16. A grande surpresa é que eu consegui renovar o visto! Assim, de primeira. Nunca tinha me acontecido. Vou contar minha saga.

Pela primeira vez tive uma hora marcada à tarde, sempre ia de manhã e nunca tinha muita gente, mas mesmo assim demorava. Dessa vez cheguei e a sala estava lotada! Bateu um desânimo de ter que perder algumas horas naquela sala de espera, pois é la que eu me dou conta de que a qualquer momento vão me chamar para ser maltratada, desrespeitada, ironizada e questionada quais são as minhas intenções com a Republica Francesa. Pelo menos eu estava com o cheri. Não que ele tenha se voluntariado para o perrengue, mas a presença do cônjuge é obrigatória (sorriso sarcastico).

Durante a espera foi muito interessante observar os casais que chegavam. A cara que faziam quando abriam a porta e viam a sala lotada também era engraçada, mas eu quero dizer que reparava em como os casais combinavam entre si. Tinha um par que era super chique. Ele de terno e gravata, ela de saia e salto alto; ele de cabelo cortado no melhor estilo direita cristã, ela de rabo-de-cavalo puxado pra tras, sem um fio fora do lugar. Pareciam dois corretores da bolsa de NY num dia razoavel: nem tão bom para sorrir, nem tão ruim para descuidar da aparência. Outro casal apareceu. Dessa vez representantes do culto ao corpo. Ele, um armario, andar arrogante, tatuagem no braço, braco que devia ter a mesma grossura da cintura dela, que por sua vez tinha cabelos loiros e lisos e usava roupas da ultima moda (ou o que eu imagino ser a ultima moda, ja que não dou a minima). Tinha também um outro par que me fez lembrar de mim e do cheri na primeira vez que entramos naquela salinha. Eles usavam tênis e calças jeans e pareciam bem jovens e perdidos. Pensei logo que eles também foram obrigados a se casar em nome da imigração francesa, pobrezinhos. E estavam apenas começando. O engraçado é que em nenhum caso pude dizer quem era o francês e quem era o estrangeiro do casal.

R38!

Opa, nós. Levantei pensando que estava tudo certo, tinhamos todos os papéis pedidos, todas as infinitas xerox, data do casamento decorada, e mais os documentos que temos que adivinhar que eram pra trazer, pois mesmo que não esteja escrito, eles pedem de uma maneira que faz com que pareça óbvio que eles precisavam deles! Não tem erro, eles não vão conseguir me barrar dessa vez. Sentei sem a menor sombra da simpatia que carregava nas minhas primeiras visitas à imigração e a mulher começou a examinar os papéis. "Ah, infelizmente não vai ser possivel, vocês não tem todos os documentos pedidos. Faltam mais provas de que vocês estão realmente casados". DE NOVO? Insistimos, tinhamos tudo. "Falta a seguridade social que vocês tem em comum". Nós não temos seguridade social em comum. "Então cadê a do monsieur sozinho?". Não trouxemos, não achamos que documentos individuais do monsieur eram necessarios. Ela riu como quem diz, vocês não tem o direito de achar nada. E então, por alguma razão, esse documento, que não tinha sequer meu nome, era uma prova fundamental de que estavamos casados de verdade.

Pedimos para ela considerar. Ela disse que ia levar o caso a sua superiora. Levou meu dossier e demorou uns 10 minutos. Enquanto isso ficamos rezando para a superiora ter acordado com passarinhos na janela, café-da-manhã na cama e beijinhos dos seres amados. Mas como eu ja estraguei o suspense logo no primeiro paragrafo dizendo que consegui o visto, bom, eu consegui o visto! E o melhor de tudo, esse dura 10 anos! 10 anos sem ter que voltar la (e sem ter que PAGAR pela renovação do visto) foi uma noticia boa demais pra gente.

Pelo menos tenho que admitir que dessa vez a pessoa que nos atendeu não foi grossa e nem nos tratou mal (não como das outras vezes).

18 comentários:

asnalfa disse...

kkkkkkkkkkkkkkk
Seu blog é otimo!! Uma delicia de ler! Esses europeus arrogantes.... quando eles vem para o Brasil sao muito bem tratados... mas quando vamos pra la..tsc tsc!
Parabens pelo visto. Visitarei aqui sempre! Li todos os posts!
Bjos!(Poe foto do seu marido aqui tb, se puder)

Leonardo disse...

A parte chata de vc conseguir visto pra 10 anos é q não teremos esses relatos divertidos por todo esse tempo. Como funcionário público devo dizer: somos iguais em qquer parte do mundo!
Abraço Amanda! Adoro seu blog!

luciana disse...

como assim dez anos? como esse é um assunto que muito me interessa, me diz, por favor, tu tah casada ha quanto tempo? achei que tivesse que renovar o visto todo ano durante cinco anos e depois, xau, nunca mais. me explica como é teu caso e se é o caso de todo mundo tbm.

oh, fomos na prefeitura semana passada pra validarmos meu visto. chegamos às 9h e saimos às 16h (claro que saimos da prefeitura e fomos dar uma voltinha...) quando fomos atendidos, a mulher disse que o comprovante de residência estava UM MES passando do prazo ideal e que não poderiamos ser atendidos. foi otimo.

luciana disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Amanda disse...

Asnalfa, você por aqui, mas que honra! Olha, meu namorado não foi tão bem tratado assim não quando estava no Brasil, viu? Acho que antipaticos tem em todo lugar mesmo!

Luci, essa historia de 10 anos foi novidade pra mim também. Minha amiga que me informou dessa. Parece que depois de três anos de casados, temos direito a esse visto de 10 anos. E depois de 4 anos ja podemos pedir a nacionalidade francesa, mas isso tem que confirmar, pq to achando facil demais pra moral do Sarko.

Viu Leonardo, quem sabe eu não me animo a pedir a nacionalidade ano que vem e venho aqui contar como foi. E olha que pela complexidade da coisa deve ser bem mais problematico!

luci disse...

não, não, não... camilo escuta, sim, quando falo de outras pessoas (homens). acredite, não ha coisa que eu deteste mais do que o tal do machismo, não poderia levar uma relação dessas: em que somente eu aguento os espinhos. inclusive, nessa mesma conversa no bar, eu disse a ele que quando me mudei pra lyon, passei uma semana sem conseguir tirar os olhos de um dos caras que morava com ele (acho que um dos homens mais bonitos que eu tinha visto). ele ficou meio calado, era novidade pra ele a confissão. mas é assim. lembra do teu post sobre machismo francês? então, é assim, macho no brasil quer marcar territorio. não sei como são os franceses, mas o "meu" escuta direitinho o que eu tenho pra dizer (bem ou mal..).

eu vivo comentando com ele teus posts, sabia? porque eu vou descobrindo as coisas tanto vivendo aqui, como lendo teus posts. o ultimo debate foi sobre o protesto da mulheres na piscina publica. hehehe adoro!

ah, e por ultimo, quando falei que "pessoas estranhas liam meu blog", não tava me referindo a tu, afinal, se eu não quisesse sua presença nele, não assinaria meus comentarios aqui.

então, até o proximo post! (ou até minha proxima ida a paris. se vocês beberem uma cervejinha, não vou pensar duas vezes em contactar) :D

beijooo!

lola aronovich disse...

Amanda querida, concordo com o Asnalfa: seu blog é ótimo de ler! Li só alguns post, rapidinho, porque estou sem tempo nenhum, mas vc realmente passa uma impressão agradável aos seus leitores (mesmo quando escreve sobre coisas ruins, como imigração!). Puxa, aquilo que vc narra sobre a incompetência da PF eu enfrentei também, mas na Argentina. Eu tenho passaporte brasileiro E argentino, e da última vez que estive na Argentina, em outubro, eles carimbaram sei lá o quê. Só sei que tive problemas. Ou que terei problemas da próxima vez. Ish! E isso dos casais serem parecidos fisicamente é muito real! Às vezes fico pensando se eu e o maridão somos um casal parecido fisicamente. Quer dizer, se seguimos o mesmo modelito. Acho que em algumas coisas sim: roupa velhinha, não muita preocupação com a aparência etc. Abração!

luci disse...

menina, eu escrevi que soh a porra aqui e apaguei tudo e rescrevi, porque é muito complicado falar sobre isso. mas...

não ha nada mais forte que o poder da cultura. mesmo que essas mulheres conquistassem o direito de ficarem "peladas", acredito que isso não ia provocar uma nova forma de pensar e, mesmo daqui a 300 anos, as mulheres ocidentais ainda estariam usando, em sua maioria, sutia/biquini na hora do lazer sob o sol. na verdade, acho valido elas estarem lutando por isso, mesmo eu sendo da opiniao de que ando muito feliz com meu sutiã, porque a cultura de ser assim jah estah enraizada em mim.

mas eu ficaria grata se essas mulheres (se nos!) gastassemos energia e tempo lutando por coisas que sao mais importantes na luta contra o machismo, pelo direitos das mulheres em geral. se eu não me engano, foi tu que disse que as mulheres da frança achariam absurdo essa de se aposentar mais cedo que os homens. eu acho que no momento em que o homem brasileiro trabalhar em casa tanto quanto a mulher, o tempo de trabalho poderia ser igual, mas enquanto a mulher for escrava fora e dentro de casa, o tratamento tem que ser diferenciado, por mais que isso seja um machismo velado.

quando discutimos sobre isso, não chegamos a lugar nenhum hehehe mas digamos que a gente não tah nem ai se as mulheres querem ou não deixar de usar biquini. eh tipo "se elas se sentem bem assim, tah bom pra mim tbm"

luci disse...

ps. vale dizer que imagino que andar sem sutiã não signifique apenas andar sem suitã. quanto mais coisas conseguirmos, mais coisas iremos conseguir...

Destilando disse...

Oi Miguinha! Mas que post mais comentado! Amei! Aliás, parabéns pelo visto de 10 anos, vai ser que nem silicone, só precisa renovar de 10 em 10 anos. Hehehe. Brincadeirinha! Manda um beijo para o seu cheri!

Mel Savi disse...

Conheci o seu blog pelo blog da Lola e, bom, já sou oficialmente sua seguidora! Compartilho das suas frustrações e foi um prazer ler o seu post. :)
Melina

Bel Butcher disse...

Oi Amanda.
ótimo blog. Passei para retribuir a visita, mas acabei ficando mais do que o esperado. Excelente post e acho que todos nós já passamos por isso. Não tem muito jeito.

Agora, pelas histórias que conheço, no Brasil estrangeiro, se bobear, sofre até mais que nós por aqui. É que eles são tão rígidos quanto os europeus, mas são muuuuito mais lentos e burocráticos com a papelada. Não é fácil ser gringo no Brasil, não!
Beijos
Bel

Maíra disse...

Ei, que beleza você ter conseguido o visto de dez anos! Mas concordo com o Leonardo lá em cima: pena que não teremos tão cedo seus relatos sobre os momentos surreais na imigração :-)

Mas tudo bem, assunto bom aqui é o que não falta!

beijos

Navegadores da Razão disse...

Oi! Nossa essa semana recebemos uma notícia possitiva para um mestrado, estamos na correria de passagem, apt, esperando papeis para visto, uff!Quem sabe possamos nos conhecer quando, não sou de primeira viagem, já moramos um ano em Paris, Deus meu quanta saudade!!!Até dos momentos chatíssimos que vc conta e lembram os meus sinto saudades, também estou nos EUA, detesto, juro que não volto!!Bj

Rackel disse...

Hey, parabens pelo visto!

Neide disse...

Oi Amanda!
Estou sempre passando por aqui, mas me conte: vc casou no Brasil ou na França? vou fazer 5 anos q casei, aui na França, mas so agora vim morar, tenho tb q renovar o visto todo ano?? fiquei aflita!
Beijos
Neide

Amanda disse...

Oi Neide, desculpa, so agora vi seu comentario! Então, vc tem que ver a data da validade da sua carte de séjour, não pode deixar vencer, imagino que seja burocracia dobrada! Beijos!!

Grazi disse...

Amanda,
Eu tb reparo nos casais e, é verdade, eles são parecidos msm !!!
Parabéns pelo visto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...