quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Defesa da dissertação

Achei que não fosse ficar nervosa com a apresentação do meu mémoire. O pior ja tinha passado! Passar um ano pesquisando, fazendo entrevista, lendo, indo até o Paraguay de ônibus, passando horas e horas entre uma cidade e outra, escrevendo em francês, pedindo pra outras pessoas corrigirem, me desesperando em ver que tudo o que escrevi estava errado, organizando capitulos, esperando impacientemente a opinião da professora, bom, eu achava que meu sofrimento ja estava de bom tamanho. Mas é claro que eu estava errada.
Minha professora marcou a data a defesa duas semanas antes. Decidi que não ia me preocupar na primeira semana, ia curtir as férias e so na segunda começaria a me preparar. A segunda semana chegou rapido demais e eu fingi que não vi. Deixei passar um dia, depois o outro, depois so mais um e opa!, a dissertação é amanhã e eu não tenho nada preparado! Tratei de me apressar e fiz uma apresentação bonitinha no power point e ensaiei varias vezes o que ia dizer. Ja conhecia bem assunto, então me sentia preparada pra explicar meu trabalho. Até queria que questões fossem levantadas, pra poder mostrar meu ponto de vista. E depois da radio, perdi muito o medo de falar pra outras pessoas. Então estava tranquila.
No dia seguinte quis chegar bem cedo pra poder preparar o equipamento da apresentação do Power Point. Meu primeiro estresse foi descobrir que a secretaria estava doente e so ela tinha a chave da sala onde estava o projetor. Ou seja, toda a minha apresentação foi por agua à baixo. Me enfiei numa sala vazia e fiquei que nem uma louca falando sozinha, ensaiando a minha nova apresentação, sem imagens, sem mapas, sem graficos. Voltei ao meu departamento e encontrei uma menina do meu curso que também ia defender naquele dia. Começamos a conversar sobre os nossos colegas que ja tinham defendido. Ela estava mais informada que eu. Eu perguntava:
- E fulano?
- Não passou.
- E sicrano?
- Também não.
- E beltrano?
- Ih, esse a professora disse que não dava nem pra ir pra defesa!
Foi nesse momento que a gente ouviu gritos da sala ao lado. Era a defesa de um garoto do nosso curso, que aparentemente, estava indo mal. A professora falava alto e agressivamente: "O trabalho esta muito mal feito, você não foi feito para a geopolitica!". Acho que foi mais ou menos ai que comecei a entrar em pânico. Eu era a proxima.
Minha orientadora chegou e simpaticamente aumentou o meu panico dizendo que tinha um erro de gramatica no titulo do meu trabalho. No ti-tu-lo. A pouca segurança que eu tinha foi pro ralo. Entramos na sala eu e a banca composta de duas professoras e fiquei feliz de não ter pego a diretora, que não mede as palavras e pouco se lixa se você vai se ofender ou não. Ela da a melhor aula do curso, mas é extremamente intimidante. Comecei minha apresentação e foi tudo bem. Depois foi a vez delas de dar o parecer. Olha, 80% dos que elas falaram foram criticas e 20% elogios. Mas a impressão que elas deram foi que não precisavamos perder tempo com o que estava bom, então era melhor nos concentrarmos onde poderiamos melhorar. E isso significava que meu trabalho não estava uma merda completa, so que tinham pontos onde eu poderia ter feito melhor. Depois me perguntaram se eu queria continuar com o mesmo tema no segundo ano. Eu respondi um sonoro e traumatizado "NAO". Não aguento mais esse assunto! Se eu ver um paraguaio na rua eu mato! Nota final: 14/20. Otimo! Passei pro segundo ano.
Agora tudo o que tenho que fazer é repetir tudo o que fiz no primeiro ano e me matar de escrever outro mémoire. Não é otimo?

9 comentários:

Mariana disse...

Cruuuzes Amanda!!! Gritos é???? Agora as risadinhas da minha banca até ficaram parecendo politesse!!! Que professorada casca grossa!!!! Enfim, trauma vai, trauma vem, pelo menos a gente chegou ao fim e passou!!!
Minhas aulas começaram hj e ja estou de saco cheio mas... bola pra frente!
Parabééééns!!!!
bjus!

ps: também aprovei a idéia q vc mandou por email! bora!

Aline Mariane disse...

Parabééénss!!!
Ja tem outro tema em mente para o proximo memoire?!
Bjss!

asnalfa disse...

Apresentar dissertação sem data-show? Nunca vi isso na vida! Se fosse na universidade onde eu estudo, isso jamais iria acontecer. Aqui na facu, se faz reserva (antecipada!) do data-show. Alem disso, onde estudo, quem tem a chave de todas as portas são os seguranças dos predios.
Vc quer é o titulo de doutora???

Maíra disse...

Nossa, e aí a gente pensa que no "primeiro mundo" as coisas funcionam direito..

Mas deu certo! Paabééééééééns!

Amanda disse...

Aline, ainda não tenho um assunto não, to procurando. Aceito sugestões! :)

Asnalfa, tô passando longe do doutorado!

Mariana disse...

Ufa! Que sufoco... ainda bem que entre mortos e feridos todos sobreviveram!!! Rs! Me lembrei da minha apresentação, dor de barriga, mãos trêmulas e suadas, aff! Hoje morro de rir ao lembrar.
Parabéns pela nota e pela etapa vencida, bjos.

Rosa Lopes disse...

Espantosa a falta de estrutura! Fico super feliz que tenha conseguido, fica o aprendizado. Bj

Bel Butcher disse...

Aiai, e eu ainda não vejo a possibilidade desse dia chegar!
Parabéns! Bola pra frente. Estude bem o próximo tema. Chegue no M2 já com noção do que vai fazer. Ajuda bastante.

PS: sumi, mas acho que essa semana voltarei ao mundo dos blogs e escreverei para o amigo-oculto! Bom, assim espero...

XMaritoX disse...

PÔ que bacana! Fico feliz! Hoje encontrei uma amiga minha num petshop, ela fez pós em sociologia na França, passou por boas tb e é jornalista. Ah, uma outra amiga minha, de longa data, esta por aí tb, foi fazer pós em moda.
Senti falta de acompanhar seu blog, Amanda. Sorte no próximo ano!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...