terça-feira, 14 de setembro de 2010

Minha visão de paraiso

Tenho um sonho impossivel. Quero dizer, tenho varios sonhos impossiveis, mas um deles é morar numa cidade com todas as pessoas bacanas que ja cruzei por ai. Acho que a maior vantagem de se viajar e morar em varios lugares diferentes é também a maior desvantagem: a gente conhece o lado bom de tudo, mas sabe que não pode ter tudo de bom ao mesmo tempo, e isso inclui as pessoas.

Lembro que na primeira vez que sai do Brasil, na Australia, fiquei encantada com o monte de gente diferente que conhecia. No inicio pedia o email de todo mundo, eles eram tão legais que eu não podia de jeito nenhum perder contato! Um email anotado, dois emails, três emails, dez emails, trinta emails. Mas... quem é Tom mesmo? E Emily, sera que é aquela ruiva? E esse email aqui ta até sem nome, acho melhor jogar fora. E assim fui me desapegando da ideia de tentar manter contato, pois me dei conta de que nunca iria mandar email para aquela gente. Nossos encontros eram temporais, casuais e sem futuro. Seja nossa relação uma simples conversa no hall do albergue, ou dois meses de viagem em comum.

Engraçado que quando conheci o cheri ja estava nessa onda de desapego. Mas depois de algumas semanas com ele comecei a pensar que seria muito triste ter que deixa-lo e nunca mais vê-lo. Seria um desperdicio, até. Sorte a nossa que nossos planos se cruzavam perfeitamente, então pudemos ir adiando a separação até um ponto que decidimos que não queriamos nos separar. Mas não sei o que aconteceria se não estivessemos indo pelo mesmo caminho por acaso, porque a ideia era não fazer muito esforço, mas deixar rolar do jeito que ia. Não sei até onde deixamos o acaso dar as cartas para assumir de vez nossas vontades e fazer sacrificios. Mas tenho quase certeza de que se a sorte não tivesse contribuido e tivessemos que fazer sacrificios desde o inicio, não estariamos juntos hoje.

O cheri é o companheiro que escolhi para viajar comigo em permanência. Todas as outras pessoas tenho que deixar ir, por mais que eu as quero perto de mim. E também não posso mudar meus planos para viver perto delas. Eh a vida. E quanto mais gente bacana você conhece, mais a saudade é grande. Por isso meu sonho secreto e egoista é conseguir reunir todas as minhas pessoas queridas numa cidade so, ou melhor, na mesma vizinhança, onde possamos nos encontrar todo dia, nos reunir pra jogar cartas ou falar abobrinha. Claro que todo mundo ia se dar bem, afinal, como minhas pessoas preferidas poderiam não amar loucamente umas às outras se todas elas são tão, mas tão, tão gente boa?

O ideal seria uma comunidade meio hippie, assim no meio do mato mesmo. Mas com computadores e internet, logico. Uma vida de subsistência, bem tranquila, muitos livros espalhados, muitos quadros dos amigos artistas e musica dos amigos da musica. Interminaveis discussões sobre politica e religião. Nem uma palavra sobre futebol, claro. Estudariamos historia em coletividade. Poderiamos até formar um clube do livro, olha so que boa ideia. Os solteiros eu ia logo juntar com quem achasse melhor. E assim a gente viveria todos juntos, felizes e em paz.

Estaria presente muita gente. Aqueles com quem eu estudei, nadei, brinquei e dividi um pedacinho da minha infância. Aqueles com quem compartilhei minhas angustias, chorei no ombro, gargalhei, dancei até o amanhecer, experimentei coisas novas, aquele à quem eu dei meu cordão pra nunca mais esquecer, aqueles com quem eu passava fins de semanas inteiros em raves, aqueles que eu abraçava com força e amor, aqueles que me levavam pra cachoeira gelada depois da festa. Estariam também aqueles com quem eu descobri o prazer da liberdade, das viagens, aqueles com quem me comunicava por gestos, aqueles que me mostravam no mapa suas cidades de origem, la longe. Aqueles que falam japonês. Aqueles que deixaram uma expectativa de amizade que não teve tempo de se concretizar. Aqueles novos amigos virtuais, que pouco a pouco se tornam reais. Estariam presentes alguns daqueles com quem eu bebi, com quem eu morei, aqueles que eu levei pro mal caminho, aqueles que eu beijei, aqueles com quem eu apontei estrelas, aqueles que adoram Nutella, aqueles por quem enfrentei longas viagens de ônibus, aqueles com quem briguei e fiz as pazes, aqueles que eu mandei cartas, aqueles que eu anotei os emails e não escrevi.

Aposto que ninguém nunca ia reclamar do barulho numa vizinhança dessas.

16 comentários:

Carol Nogueira disse...

Mandita, tudo bem ter vontade de chorar lendo seu mundo? Me deu um pouco (e eu to no metro!).

Amanda disse...

Po Carol, começa a fazer as malas!

Caso me esqueçam disse...

ai, que post LINDO! lindo! adorei! meus olhos ficaram cheios de lagrima hehehehe ok, isso acontece com frequencia, mas nao quer dizer que, cada vez que aconteça, eu nao esteja emocionada :)

desde que eu conheci camilo, conheci tambem um monte de estrangeiro legal, gente que eu adoraria ter sempre por perto. gente de coracao bom, gente curiosa, gente bem humorada. ai a gente se muda, o pessoal vija, vai embora e fica aquele vazio que vai ser preenchido por outra pessoa. isso tudo daria um grande post. ja tou me preparando pra dizer adeus a diana, minha unica amiga carnalmente presente na minha vida no momento. eh chato. posso morar nesse mundo aih?

Caso me esqueçam disse...

carnalmente presente ficou meio erotico, neh... uheuehuehee

Iara disse...

Ai, que coisa linda, Amanda! Dá vontade de chorar lendo mesmo, de tão lindo. Eu também queria algo assim, viu? Ia ter só algumas diferenças do seu mundo: no meu as pessoas falariam de futebol. E eu teria quorum pra cozinhar coisas deliciosas todos os dias. Todo dia ia poder ter café com bolo fresco. Vamos dividir o mundo? Eu prometo que só falo de futebol quando você não estiver por perto, pode ser?

Caso me esqueçam disse...

hahahaha tava lendo o blog da rita e...

CIN-DE-RE-LAAAAAAA!

hahahahahhahahahahahaha

muito bom! hahahaha ri horrores :D
cindy, cindy, cindy!

vou tchi contratar pra minha fiesta! wow! :D

Rita disse...

Amanda, eu li esse post mais cedo, não pude comentar. Passei o dia pensando nele e agora estou caindo de sono, mas não podia ir dormir sem antes passar aqui e dizer o que já disseram aé em cima, que é um texto emocionante! Eu quero esse mundo, meus amigos na casa ao lado, minha mãe logo ali. Definitivamente na categoria "eu queria ter escrito". Lindo, lindo, não consigo dizer outra coisa.

Ah, consigo: parabéns pelo primeiro lugar na primeira fase do quarto concurso de blogueiras (hehehe, primeiro do primeiro do quarto, ufa). Show. :-)

Beijocas. Ah, não! Já passa da meia-noite, você não vai poder ler esse comentário, o encanto se desfez... hihihi Tchau, Cindy.

Rita

Glória Maria Vieira disse...

Como todas as nossas queridas já disseram à cima, eu também fiquei emocionada com esse poste tão verdadeiramente lindo, Manda. Eu queria tanto quanto todas nós que fazemos parte do Petite morar no seu mundo e não mais mudar-se de lá. ='\ É visível que eu sou sentimental e chorona, mas não há como não ler um texto desse porte e simplesmente lê-lo sem derramar um pingo de água e sal sequer.

Eu tenho muita vontade de ser não apenas da categoria virtual, mas também da real como um abraço dado e que ainda não dei em você.

Bom! Temos muito tempo ainda pra fazê-lo, né minha amiga?!
Deixo hoje esse abraço enxarcado e quem um dia espero que seja dado.

Glória Maria Vieira disse...

AH! E parabéns pela primeira colocação, Manda! \o/

Esqueci de dizer também que esse poste de hoje foi uma das coisas mais lindas que já li juntamente com o poste que a Rita fez pro marido dela como já disse a própria.

Joana disse...

Lindo post!

Engraçado eu semprei pensei deste mesmo jeito...

Roberta Valente disse...

Mandita do meu coração... o dia que esse lugar existir seremos todos felizes para sempre, como num conto de fadas! Esse também é um dos meus sonhos, e seria tão lindo concretiza-lo com você!
Mas enquanto não conseguimos, vamos vivendo de recordações, risadas e papos virtuais... vamos controlando nossas emoções para não vender tudo que temos e sair por ai visitando todos aqueles que temos vontade, onde quer que eles estejam.
Amo você e to morrendo de saudade! Saudade dos nossos EMRs, das nossas risadas e abraços, dos papos onde você não concorda com alguma coisa e fica repetindo não Bzinha, não Bzinha! Ahaha... Saudade de tudo em tu!
Beijocas e mais beijocas em você!

Liana disse...

mto legal mesmo o post.
cheguei aqui atraves do blog da luci (caso me esqueçam) e gostei mt do seu blog.
passarei aqui mais vezes.
bjos
liana

Amanda disse...

Valeu pessoal! Ta todo mundo convidado pra minha comunidade! Iara, se eu estiver bem longe vcs podem podem falar um pouquinho de futebol. :)

Quanto à cinderela, sabia que isso ia se virar contra mim um dia! Imagina se um dia eu for senadora ou astronauta e alguém vir me chantagear com uma fotinho? Aiaiaiai!

Túlio disse...

Idem emoções.

Mandita, acredito que esta cidade já exista. Ou você nunca parou para pensar que em nossos caminhos sempre passam pessoas excelentes. É como se a cidade fosse uma espécie de partida de futebol - já quebrando as regras - apesar das substituições, o time sempre será o mesmo. É normal termos saudade daquele lateral esquerdo, daquele atacante goleador ou até mesmo daquele volante turrão. Mas, jogadores se contundem, aposentam-se, são vendidos, comprados. O importante é que seu time sempre contará com excelentes atletas, sempre vestindo a sua camisa e jogando com o coração na ponta da chuteira.

Analogias esdrúxulas-provocativas à parte, acredito que as pessoas boas e amáveis sempre se encontram, numa espécie de imã, acorrentados por laços de vento; que apesar de aparentemente soltos, seguem presos pela brisa fresca, sempre a nos tocar onde quer que estejamos.

Agora, seria bem melhor se pudéssemos construir essa cidade com tijolos e cimento, tábuas e pregos; ou melhor, se pudéssemos teletransportar as pessoas sempre que tivéssemos saudade, fazendo reuniões confusas como uma torre de babel, passando nutella na boca de quem fala japonês, fazendo uma rave com amigos de infância, abraçando amigos virtuais com beijos reais, guardando cordões com e-mails nunca escritos.

Acho que sempre qndo leio algo interessante não consigo expressar o quão interessante achei... meu cérebro, de tão o veloz ou lento, transmite tudo em formas de imagens, ou, melhor dizendo, metáforas, capazes de serem traduzidas somente por quem as criou, no momento em que foram criadas.

É isso, resumindo, muito super-hiper-excelente seu post.

Amanda disse...

Poxa Tulinho, seu comentario foi melhor que meu post! Tudo a ver o que vc disse. Um beijo!

Camila Pastorelli disse...

Olá,Amanda, como vai?

Fiz uma citação ao seu blog no meu último post. Espero que não se incomode!
Abraços!
Camila
www.camilabraga.wordpress.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...