sábado, 8 de janeiro de 2011

Gente da Australia - Linda, Val e Jo

Três mocinhas elegantes: Linda, alemã; Valery, canadense de Québec; Jo, inglesa - inseparaveis. Primeiro conheci a Linda, a quem deixei minha vaga no apartamento de Brisbane quando fui embora pra fazenda. Dei um mole danado e esqueci de falar dos 300 dolares de caução que os novos moradores tinham que dar aos moradores que estão partindo, assim esses recuperavam seu dinheiro. Linda disse que não tinha grana e como eu estava prestes a ir embora, disse pra ela que quando ela tivesse, me dava. Duas semanas depois Linda anuncia aos moradores da casa na maior cara de pau: "Então pessoal, amanhã eu tô me mudando, vou pra fazenda também". E eles responderam: "Como assim, Linda? E quem vai entrar no teu lugar pra dividir o aluguel? Você tem que arranjar alguém!". "Tô sem tempo". E se não fosse minhas amigas rapidas no gatilho que encontraram alguém pra ontem com dinheiro da caução, eu teria perdido 300 dolares.

Assim Linda apareceu no mesmo albergue que eu estava e levou junto com ela Val e Jo. Não guardei rancor, pois naquela época nada era capaz de tirar meu bom humor. Então as três amigas passaram a fazer parte do meu cotidiano. Elas eram muito animadas, queriam se divertir e aproveitar sua estadia na Australia o maximo possivel, as doidinhas. Linda era a mais nova, ou pelo menos a mais deslumbrada com sua nova vida. Ela admirava suas duas amigas e fazia de tudo para ser igual à elas. Mas às vezes ela tinha comportamentos estranhos: ela me olhava sem parar e quando eu perguntava que foi ela ria e respondia algo como "nada, é seu cabelo que é engraçado" com diversas variações das partes do meu corpo.

Ja a Valery era a mais inteligente. Ela sempre vinha ensinar algo novo, contar uma historia interessante, conversar com todo mundo. Ela sabia fazer a festa, mas também ficava muito bem em ambientes mais sérios. Ela não levava desaforo pra casa e foi a unica pessoa que eu vi se defender da maior vilã da historia de Queensland (Jennifer, falarei dela outro dia, depois que me recuperar do meu trauma). Alguns meses depois encontrei com ela em outra cidade e sem suas duas amigas, ela era exatamente a mesma pessoa. Coisa rara, não?

A Jo era porra-louca total. Mas o engraçado é que nessas viagens a gente não sabe se a pessoa é assim mesmo na vida real ou se esta apenas aproveitando que esta longe de casa e dos julgamentos dos proximos para fazer o que der na telha. Um dia, depois do trabalho, estavamos so nos duas na fazenda esperando o dono do albergue passar pra buscar a gente (às vezes ele demorava 3h) e ela disse:

- Sabe, eu vim trabalhar aqui na fazenda pra poder dar mais valor ao meu dinheiro.
- Como assim? Você é rica?
- Eu trabalho como stripper aqui na Australia. Você não pode imaginar o tanto de dinheiro que eu ganho com isso. Em um dia de trabalho na boate eu ganho facil uma semana de colheita (e a gente ganhava bem). O problema é que o dinheiro vai subindo à cabeça e todas as meninas que trabalham com isso vão detonando a grana sem dar o menor valor. Elas compram maquiagem mais cara, bolsas de marca, roupas sem fim e depois jogam tudo fora. Tudo fica facil demais. Eu estava assim também, e morri de medo quando me dei conta, por isso decidi vir pra ca pra ter contato com pessoas de verdade.

Hoje ela deve ser uma advogada bem-sucedida em Londres.

6 comentários:

Glória Maria Vieira disse...

Eu não sou de guardar rancor até eu dizer o que tenho a dizer, Manda. UAHSUHASUHAHSHS Se eu fico engasgada com alguma coisa, ai ai... Fico magoada até desengasgar. E teria sido assim com a Linda se eu estivesse no seu lugar. Mas enfim, é muito bacana conhecer "todo tipo de gente". Porque sempre acrescenta alguma coisa em nós mesmos e isso é legal.
Eu só não sou a mesma na frente do pai. O resto... (se eu for ser a louca que sou na frente dele, o gato come solto... UASHUAHS =/)

Borboletas nos Olhos disse...

Amanda, você é uma lady. Bjs

Pablita disse...

A cara colega Linda teria ouvido umas verdades... Não consigo mais guardar a indignação diante de pessoas que tentam se aproveitar da minha boa vontade.

Fiquei curiosa sobre a história da vilã-mor.

Até mais.

Mari Biddle disse...

Sorte da Linda de não encontrar pessoas rancorosas e bocudas como eu.

Boa estrategista a amiga striper. Essa sim tem controle sobre o que ocorre ao redor dela.

*mal posso esperar pela história da vilã.

beijos....

Amanda disse...

Gente, eu não fiquei muito puta com a Linda, pq tinha acabado de conhecer o cheri, hihihi! Estava nas nuvens! Podiam me roubar um milhão que eu ia achar tudo divino e maravilhoso!

Glória Maria Vieira disse...

AAAAAAAAAAAAH! Agora tá explicado, Dona Amanda Lourenço! UAHSUAHUHAUSHUAHSUHSUU

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...